Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Like A Man

14 de Outubro, 2016

Começar a surfar aos 40!

LiAM

surfarrifana2

Quem nunca deu por si na praia a ver outros a surfar (e a divertirem-se) e a pensar: “um dia gostava de tentar isto!”. Os anos entretanto foram passando e todos os verões (e alguns invernos) o pensamento mantém-se, certo?Fomos sempre arranjando desculpas. Primeiro a falta de jeito. Depois o preço do equipamento, depois  os fins-de-semana para descansar do trabalho (ou das borgas). E de um momento para o outro temos filhos, companheira, cães, uma casa cheia mas, mesmo assim, chegados aos 40 anos de idade continuamos a olhar para as ondas e para os surfistas com uma ponta de inveja e a pensar no passado: "como teria sido giro ter experimentado...!"

surfarrifana3

Mas ao invés de estarem com esse pensamento derrotista, lembrem-se, os “40 são os novos 30...ou os novos 20”. E porque não, nesta altura, em que a maioria de nós até tem alguma liquidez disponível (apesar da crise) para investir tempo e dinheiro e FINALMENTE tentar fazer-se às ondas. Não é tão complicado assim. De qualquer forma, deixamos aqui algumas dicas: 

  1. Perder a vergonha. Esqueça os jovens surfistas que se passeiam nas ondas como algo que fizeram ainda antes de aprender a andar. Uma das coisas boas de ter 40 anos é que, em algumas situações da vida perdemos a vergonha. Afinal os cabelos grisalhos contam para alguma coisa. Força, faça-se às ondas sem vergonha. Toda a gente fica bem com um fato de surf.
  2. Arranje um amigo que já tenha feito surf, não só para ir consigo nas primeiras vezes mas também para lhe emprestar algum material e dar-lhe dicas. Não vale a pena investir 300 euros e depois achar a experiência má (o que sinceramente duvidamos, mas…).
  3. Escolha uma praia com fundo de areia (em Lisboa a Costa da Caparica é ideal ou então São Torpes em Sines) e aconselhe-se com amigos, recolha info  na net ou numa loja de surf local sobre qual o melhor spot (depois vai necessitar de um pequeno dicionário para perceber algumas das expressões de surfistas) para se iniciar na modalidade.
  4. Uma vez equipado, com uma prancha adequada à aprendizagem (deve ser do tipo Malibu) dedique-se primeiro a equilibrar-se na zona da espuma. A primeira vez que tentar vai achar que é o desporto mais difícil do mundo. Contudo, estou certo, sairá da água cansado e com os braços bem doridos por ter estado a remar mas com um sorriso do tamanho do mundo. Aconselho que veja vídeos no You Tube sobre a abordagem à remada no surf, a postura deitada em cima da prancha e como tentar fazer o drop (ver o que significa no dicionário português/surfês).
  5. Depois das primeiras vezes na água, de conhecer um pouco melhor as marés da praia, de aprender a remar, de aprender a fazer o duck dive (passar por debaixo das ondas na zona da rebentação) vai começar aqui e acolá a tentar pôr-se de pé e a surfar a sua primeira onda. Se até aqui não desistiu duvido que volte atrás. Mesmo que não faça mais do que cortar a onda, mesmo que a sua prancha seja maior e mais grossa que a dos miúdos que apanham ondas maiores, a diversão é garantida. A vergonha vai dar lugar a um gozo e, mais tarde, ao contágio de levar amigos consigo a experimentarem.

Ou seja, resumindo, fazer surf não tem idade.Vamos a isso?

surfarrifana1 

13 de Outubro, 2016

Primeiro post... Like a Man!

LiAM
Cabe-me a honra de abrir o blogue e faço-o com um post informativo. Porquê um blogue para homens? – estarão vocês a perguntar-se (gosto de pensar que somos o tipo de pessoa que se questiona a si mesmo).

A resposta é simples: porque não? Somos dois homens, já passámos dos 40 (embora não se note, dizem) e temos coisas para dizer. Ah, e temos sentimentos. Se tudo correr bem isso vai notar-se muito por aqui. Já para não referir o óbvio: somos adultos e fazemos o que bem nos apetecer. Bom, pelo menos aqui nestes vinte e poucos cm2 de ecrã, é assim que vai acontecer. Meninas e senhoras serão sempre bem-vindas, claro, mas aqui mandamos nós. Mandamos postas de pescada, deixamos dicas sobre o que gostamos e partilhamos o que nos vai na alma (não sei se já referi, mas também temos sentimentos).

Esqueçam aquela coisa do homem viril até mais não, o verdadeiro “macho man”, egocêntrico e desligado do que o rodeia. Aqui poderão encontrar coisas de homens para homens, sim senhor, mas sempre numa perspectiva do homem moderno: atento e informado, cuidado na forma de estar e de vestir, preocupado com a sua forma física e com a alimentação e, acima de tudo, sensível ao que se passa à sua volta. Sim, gostamos de motas, de futebol e de mulheres, mas também gostamos de perfumes, relógios e de arte. É assim que as coisas vão ser por aqui.

Sejam bem-vindos e fiquem à vontade. blog-likeaman.com é a vossa nova morada.
04 de Outubro, 2016

Blogar como um homem!

LiAM
Este é um blogue de homens para homens. Gostamos de design, de arquitectura, de motores, de desporto e de moda. À nossa maneira e com os nossos defeitos. Agarrem uma cerveja e venham daí!
01 de Outubro, 2016

QUEM SOMOS

LiAM

 

 

LiAM é o João, é o Filipe e o André, mas é também o vizinho do lado, o colega de trabalho ou o irmão mais velho. É aquele tipo que está na casa dos 40, ou anda lá perto, e já sabe uma coisa ou outra sobre a vida, mantendo ainda as suas dúvidas em relação a outras tantas. Diz o que pensa e sente muitas coisas. É sensível sem ser um “mariquinhas”. Excepto quando fica doente, aí é igual a todos os homens: só precisa de alguém que cuide dele, de preferência com uma paciência infinita.

Gosta de futebol, mulheres, cerveja, boa comida e quase tudo o que tenha rodas. Discute tudo isto em frente a um teclado ou com os amigos, já com um copo na mão, fazendo sempre questão de dizer que apenas bebe socialmente. É isso que lhe dá prazer.

Gosta de vestir bem e de fazer desporto. É sensível ao design, às modas e à arte em geral. Não veste a primeira coisa que aparece, mas não necessariamente pelas marcas. Conforto e estilo são as suas prioridades. É o tipo que vos fala das últimas novidades. Nos gadgets, no cinema e até na vossa rua. Domina o digital mas gosta de ler em papel. Revistas, jornais e livros não faltam na sua vida.

João empresta-lhe o lado criativo da publicidade e a capacidade de criar histórias envolventes. Ao Filipe e ao André vai buscar o rigor do jornalismo e o talento para fazer as perguntas certas. 

 

Juntos são o LiAM que é, afinal, muito mais do que a simples soma dos três. Segue-o para ficares a saber sempre mais.

 

joaocoelho.jpg


João
N. Coelho

44 anos. Solteiro e bom rapaz (dão-se referências). Criativo por defeito, gosta de questionar as coisas. Durante muito tempo foi pago para isso, como copywriter em agências de publicidade. Gosta de brincar com as palavras e de fazer rir. Diz que passou ao lado de uma grande carreira como argumentista, mas pode ser tudo ficção. Foi co-fundador da Lisbonlovers e assumiu o seu amor pela cidade que o viu nascer. Outra paixão são as duas rodas, pela sensação de liberdade e pelo seu sempre apurado sentido prático, que não lhe permite perder tempo em filas. Jura a pés juntos que é o exercício físico que lhe permite manter-se equilibrado, mas há quem desconfie desse equilíbrio. Promete escrever sobre tudo o que lhe vier à cabeça, desde a complexidade das relações à aparente simplicidade do cão miniatura do vizinho de baixo. E vice versa.

 

Nota: não escreve ao abrigo do “Acordo Ortográfico”. Sim, é um statment.

 

BI:
Naturalidade: Lisboa
Clube: Sporting Clube de Portugal
Desportos favoritos: Para ver, futebol. Para praticar, BTT e padel. As fitas do TRX também me são familiares.
Filme(s) de eleição: O Shawshank Redemption marcou-me de uma forma que ainda hoje não consigo explicar. Talvez pelo sentido de (in)justiça ou pela forma inteligente como a história se desenrola. Numa vertente mais "estética", quase todos os que contem com a participação da Jennifer Lawrence.
Livro preferido: A Voz dos Deuses, de João Aguiar e Ensaio sobre a Cegueira, de Saramago.
Música preferida: Na era do streaming, vou contra a corrente e menciono as rádios que ouço. Gosto de ser surpreendido pela Oxigénio, Vodafone FM e Antena 3.
Prato preferido: Fico sempre indeciso entre um polvo à lagareiro e um bacalhau à brás.
Bebida preferida: Depende da situação, mas no verão, uma cerveja na esplanada cai sempre bem. No inverno (e quase sempre) prefiro o gin e/ou um bom vinho.
Top 3 da minha Bucket List (não necessariamente por esta ordem):

1) Viajar durante um ano, até ao ponto de nem saber em dia da semana estou

2) Fazer uma road trip de mota pelo countryside francês (não perguntem porquê)

3) Ter uma casa com jardim (vista para o mar já é pedir muito?)

Uma mulher bonita: Monica Bellucci.
Peça de roupa preferida: sapatos ténis (ou sapatilhas, se preferirem).
Cidade de eleição: para viver, sempre Lisboa. Para conhecer, todas as outras.

Filipe Gil_Likeaman_Liam

 

Filipe Gil

46 anos. Pai. De dois rapazes. Gosta de escrever muito sobre vários assuntos, desde retalho a arquitectura, de design a consumo e tendências, desde que escreva e possa escrever está tudo bem! Andou dois anos de socas nos pés na Holanda e depois o dobro disso a Correr na Cidade, agora só corre quando lhe apetece. Muito recentemente descobriu uma paixão por motas que nunca antes se tinha manifestado...mas entretanto, um sacana de um acidente resfriou e agora volta-se mais para as quatro rodas. Mais uma razão para dizermos que homem está sempre a evoluir. Este vai tentando. Neste blogue vai escrever, escrever e escrever sobre tudo e mais alguma coisa, com qualidade e isenção. Sim, é possível num blogue!

 

BI:
Naturalidade: Lisboa
Clube: Sport Lisboa e Benfica
Desportos favoritos: Surf, futebol e corrida.
Filme(s) de eleição: Tudo o que é Star Wars e James Bond. E tudo de Stanley Kubrick, Nanni Moretti.
Livro preferido: "Amsterdão" de Ian McEwan
Música preferida: Demasiado heterogénero para indicar uma música. Os gostos vão de Bach a Metallica, de Frank Sinatra a Father John Misty, de The Kills a Beirut.
Prato preferido: Favas!
Bebida preferida: Cerveja, de preferência artesanal. Uma bela IPA faz maravilhas. E bourbon.

Top 3 da minha Bucket List:

1)      Conhecer a Califórnia e o Colorado. Ir até lá atravessando pelo menos metade dos Estados Unidos de carro.

2)      Ser dono de uma Vespa Clássica e de um Range Rover - clássico também.

3)      Correr a Maratona de Amesterdão

Uma mulher bonita: Doutzen Kroes e Sofia Vergara. Uma é loira outra morena...
Peça de roupa preferida: sapatos ténis (ou sapatilhas, se preferirem).
Cidade de eleição: Amesterdão e Lisboa. As duas, estranhamente, complementam-se.

--

 

a3b405b3-e6d4-41ec-a4df-b9f1a286259b.jpg

 

 

André de Atayde

38 anos. Unido de facto, porque as coisas devem ser ditas com rigor. Lisboeta com várias costelas do Baixo Alentejo, ou alentejano de alma, coração e estômago. Escreve sobre tudo, mas prefere contar histórias de moda, gastronomia e lifestyle, mesmo que o termo lifestyle só lhe faça sentido se a vida for realmente vivida com estilo. As más linguas dizem que está sempre a viajar e ele responde citando Lili Caneças: "Estar vivo é o contrário de estar morto!". E estar vivo implica viajar. Gosta de dar nomes de mulheres aos seus carros. O mais recente é um Fiat 500 chamado Simone.

 

BI:
Naturalidade: Lisboa
Clube: Sport Lisboa e Benfica aka "O Maior"
Desportos favoritos: Tantos que não caberiam nesta linha, mas... futebol
Filme(s) de eleição: Laranja Mecânica; O Baile, de Ettore Scola, e todos os Fast and Furious
Livro preferido: "Uma Aventura no Supermercado", de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada
Música preferida: Ui... isso é impossível de responder... todas de Arcade Fire
Prato preferido: Rabo de boi
Bebida preferida: Vinho, ponto
Top 3 da minha Bucket List:
1) Viver dois anos no Sudeste Asiático

2) Viver um ano no Sudeste Asiático

3) Viver seis meses no Sudeste Asiático

Uma mulher bonita: O Filipe já disse que era a minha!
Peça de roupa preferida: Sapatilhas (ou sapatos ténis, se preferirem)
Cidade(s) de eleição: Banguecoque e Nova Iorque, voltando sempre, sempre a Lisboa

 

 

 

Se tiverem ideias, falem connosco através deste email. Let’s ride!

 

Pág. 2/2