Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Like A Man

30
Nov16

Natal 2016: Guia de Compras para Relações Felizes. (Parte I)


LiAM

Ele são as músicas da época nos centros comerciais, as luzes que brilham um pouco por toda a cidade, o olhar esgazeado das pessoas nas compras, enfim, não há como não reparar: o Natal está aí à porta.

Aqui no LiAM somos pró-amor e gostamos de ver as pessoas felizes. Sabendo que o tópico “ofertas de Natal” é sempre delicado e que o presente errado, não sendo coisa para abalar uma relação pode, pelo menos, dificultar a digestão das rabanadas, resolvemos dar uma ajuda.

Nesta primeira parte do “Guia de Compras para Relações Felizes” damos uma ajuda às senhoras, com uma selecção de presentes que qualquer homem gostaria de receber, seguindo uma premissa que nos parece importante: apenas sugerimos produtos de marcas portuguesas emergentes. Marcas que ainda estarão a dar os primeiros passos, mas já o fazem de uma forma muito assertiva e com uma qualidade que vale a pena reconhecer. E um pouco de orgulho nacional fica-nos sempre bem, sobretudo nesta época festiva, certo?

 

Óculos de sol

Há muito que os óculos escuros deixaram de ser apenas óculos para usar só porque está sol. Sim senhor, são úteis em dias de sol, mas são também um acessório indispensável de estilo.E neste particular, as marcas portuguesas estão a dar cartas, até pelo mundo fora. E por falar nisso, começamos pela Fora Sunglasses, uma marca que se assume como revivalista, cujos modelos são feitos manualmente em edições limitadas para evitar a “massificação do produto e oferecer ao cliente a peça perfeita para usar todo o ano”.

FORA.jpg

 

 

Num registo mais "natural", está a Skog, que ficou conhecida pelos óculos feitos de madeira. Ainda que hoje tenha também óculos de outros materiais (para além de não ter apenas óculos de sol), deixa a garantia de que apenas usa materiais sustentáveis, com um extra que nos deixa a todos bastante satisfeitos: por cada par de óculos vendidos a Skog garante que planta duas árvores.

skog.jpg

 

Gravatas

No LiAM somos adeptos de um estilo de vida mais casual, sem necessidade de grandes formalismos. Mas, de vez em quando, uma gravata fica sempre bem. A pensar nesses dias, mas também em todos aqueles cujas obrigações profissionais ainda não dispensam a gravata, fica a sugestão de uma marca portuguesa recente, mas que já está a causar muito boa impressão lá por fora. O que até faz sentido, já que a Comodoro associa-se à herança marítima portuguesa numa lógica de resiliência para ultrapassar as dificuldades de um mercado muito competitivo. E quem dobra o Cabo da Boa Esperança também consegue dar um nó de gravata à homem, dizemos nós.

Comodoro1.jpg

Meias

Sim, é um cliché de Natal, mas a verdade é que as meias já não são o que eram. As meias certas, entenda-se. Pensem connosco: nem sempre é fácil para um homem fazer um statement na escolha da sua indumentária. As mulheres têm as jóias, a maquilhagem e a roupa que podem e devem ser sempre uma extensão da sua personalidade. Um homem que tenha necessidade de usar fato e gravata, num ambiente corporate, não pode inventar muito. Mas pode fazê-lo com as meias. Sempre com algum cuidado para não cair num exagero indesejado, a Westmister propõe exactamente isso: explorar esse lado criativo e arrojado na escolha das meias. A assinatura da marca - “The Finest Socks” diz tudo.

socks2.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Calções de banho

Porque não? Sim, estamos quase em dezembro e não tarda está um frio de rachar, mas porque não aproveitar esta altura do ano para surpreender e, quem sabe, começar já a planear o próximo verão ou até umas férias de inverno nos trópicos? Se aos calções de banho acrescentar um bilhete de avião para um destino paradisíaco, então é satisfação garantida!Neste caso sugerimos uma marca portuguesa que tem tido uma ascensão meteórica. Com apenas uma mão cheia de anos de existência, a DCK tomou o mercado de assalto com uma excelente relação qualidade-preço-variedade. O cuidado com o design e a apresentação das colecções fizeram o resto, para fazer desta uma marca já incontornável do beach wear nacional.

DCK2.jpg

DCK3.jpg

Camisas

Mais um clássico de Natal que se justifica plenamente. Camisas num armário masculino nunca serão demais, dizemos nós. Sobretudo se tiverem a qualidade da The Portuguese Flannel, uma marca que leva ao mundo os grandes valores da indústria têxtil nacional, com uma imagem impecável, como nós por aqui gostamos.

camisa.jpg

 

Para a barba

Para os homens de barba rija (que somos todos, mesmo que na cara tenhamos apenas uns quantos pêlos mal semeados), temos duas opções: uma para quem gosta de andar sempre bem barbeado, e outra para quem prefere o look barba orgulhosamente comprida e bem cuidada. A Antiga Barbearia de Bairro remete-nos para os bairros típicos portugueses de outros tempos, onde os homens andavam sempre impecavelmente barbeados (excepção feita, muitas vezes, ao típico bigode português).Uma altura em que a barba se desfazia na navalha, depois de umas passagens de sabão com o tradicional pincel, uma tradição que agora é possível recuperar com esta marca que se propõe exactamente fazer renascer o ritual do barbear de outros tempos.

pincel

 

Na outra face desta mesma moeda que é o barbear está a Barba Brada, a marca que declara desde logo ao que vem, com uma declaração de “guerra” às lâminas de barbear, disponibilizando uma gama de produtos essenciais para o cuidado da barba. Sim, porque a barba pode andar grande, mas desmazelada é que não. Os elixires da marca propõem que acabemos todos com uma barba mais macia, preenchida e lisa. Só para apreciadores(as).

 

barba

 

Acessórios de bicicleta

Assistimos em Portugal – finalmente! – a uma maior adesão ao fenómeno “ciclístico”. Não tanto numa perspectiva de competição, já que uma camisola amarela é coisa que não fica bem a toda a gente, mas mais numa lógica de utilização lúdica e até como meio de locomoção no dia-a-dia, o que é uma excelente notícia para o ambiente e para a mobilidade urbana. À boleia desta mudança de mentalidade vai a Happy Bicycle que, como o nome sugere, é feliz neste universo das duas rodas. Para que outros o sejam também, a marca propõe uma série de acessórios inovadores, inspiradores e arrojados para todos os amantes de bicicletas, no sentido de alimentar esta revolução do ciclismo urbano.

velosock_cinza.jpg

Hortas em casa

Vamos ser francos: quantos de nós, se pudéssemos, não trocaríamos os apartamentos por uma casa com quintal, barbecue e, a cereja no topo do bolo, uma piscina para umas braçadas à Michael Phelps de fim-de-semana? Não precisam de pôr o braço no ar, que aqui o voto é secreto, mas não custa adivinhar a resposta. Menos secreta será a tendência para termos nas grandes cidades uma forma de podermos cultivar as nossas próprias ervas e plantas, numa lógica de horta caseira. Uma forma que, neste caso, se chama Herb Pack, uma marca de vasos muito especiais que permitem cultivar ervas ou plantas, sem necessitar de ter um pátio ou jardim em casa. Segundo a marca, uma parede é de tudo quanto se precisa. E destes vasos, claro. Mais do que um jardim vertical, é uma forma de um homem se manter conectado com a terra, mesmo longe da terra. É só arregaçar as mangas e começar.

herb

Mochilas e Messenger bags

Freud explicaria isto melhor do que nós, mas se há coisa que deixa um homem satisfeito é ser proprietário de uma boa mochila. Talvez tenha a ver com a satisfação de saber que, caso seja necessário, pode arrumar umas coisas e partir à aventura, mas a verdade é que uma boa mochila deve fazer parte da lista de pertences de um homem que se preze.

ideal

Não havendo um tipo ideal de mochila que possamos sugerir, já que a componente “gosto” é sempre muito pessoal e discutível, há no entanto uma marca ideal que podemos recomendar, que se chama exactamente Ideal & Co. Agrada-nos a estética e minimalismo, para além da qualidade das peças. Minhas senhoras, se a opções for esta, aproveitem e comprem uma também para vocês. Se é para fugir da rotina, fugimos juntos. Certo?

Sapatos

Não podíamos fazer um especial de Natal a falar de marcas portuguesas sem falar de sapatos. Se há coisa em que somos realmente bons é na nobre arte de calçar pessoas. Felizmente, estamos também cada vez melhores a assumir essa capacidade e a fazê-lo com marcas próprias, ao invés de produzirmos apenas para as grandes marcas internacionais.E fazemo-lo não só com estilo, mas também com a criatividade e irreverência que nos caracterizam. A Undandy é um óptimo exemplo disso. Apostando forte no mercado masculino, a marca, para além da colecção "normal", propõe ao cliente que crie, de raiz, o seu próprio sapato através de uma plataforma digital – escolhendo a forma, as matérias em cada parte do modelo, as cores, a costura, os atacadores e até a personalização da escrita na sola. Se a ideia é ir para algo mais casual, há ainda a possibilidade de usar a sola de um ténis num modelo de sapato formal.oxford-shoe-leather-suede-grey-brown-48-finley-side2

Outra marca que propõe algo com um carácter de inovação bastante semelhante é a Freakcloset, mas neste caso numa lógica de clássicos com um twist. A ideia é recorrer aos modelos clássicos e intemporais, conjugando-os com materiais disruptivos, como o neoprene, sempre à vontade do freguês. Ou seja, uma vez mais é o cliente quem decide como vai ficar o produto final, partindo de uma base de três sapatos rasos (Derby, Monk e Loafer) e duas botas (Chelsea boots e Ankle boots), pode decidir as cores das peles, do neoprene, da sola e dos atacadores. O objectivo? Exclusividade aliada à qualidade do calçado português.draper

Pulseiras

Sim, é um facto: usar pulseiras não faz de nós menos homens. Mas atenção ao tipo de pulseira que se escolhe. Com a Cabo d’Mar dificilmente vamos fazer má figura. Partindo de uma base com muito bom gosto e qualidade, a única dificuldade será conseguir conjugar o tipo de pulseira com a ocasião e com o resto do outfit.Com uma inspiração marcadamente náutica, a Cabo d’Mar soltou amarras desse universo tão exclusivo e tem hoje uma oferta muito variada e sempre competente na difícil tarefa de nos deixar satisfeitos e, acima de tudo, confortáveis com o facto de estarmos a usar uma pulseira.

Cabo dMar.jpgBB_mvywhred.jpg

 

Localizador

Não há outra forma de definir esta categoria. Trata-se exactamente de um localizador, aquilo que a Lapa nos propõe. Como o nome insinua, será algo que se agarra ao objecto ou até ao Ser (já que a marca sugere que pode usado em animais e até crianças) que não se quer perder de vista e está feito. Sempre que o objecto ficar perdido é só ligar a aplicação da marca que tem no smartphone e esta dir-lhe-á onde este se encontra. Com um alcance de 50-70 metros, a Lapa apresenta ainda como vantagem o facto de funcionar em comunidade, ou seja, mesmo que o objecto fique fora de alcance, se alguém com a mesma aplicação passar por ele, vai poder avisar o proprietário sobre a localização do objecto perdido. De génio, não?

lapa

Livros “Obrigado Portugal”

Recordam-se do terramoto que no ano passado assolou o Nepal, onde estavam dois portugueses que decidiram colocar as suas vidas em suspenso para ficar no terreno a ajudar as vítimas da tragédia? Esses dois portugueses chamam-se Pedro Queirós e Lourenço Macedo Santos e, em função dessa decisão, fizeram nascer a Missão Obrigado Portugal, nós também somos Nepal.Uma missão que agora editou dois livros cujas receitas revertem para ajudar a Missão que continua no Nepal a prestar o auxílio necessário aos sobreviventes da tragédia.

voces-voltam

 

“Vocês voltam amanhã?” era a pergunta que os Nepaleses faziam aos portugueses todos os dias e é também o título do livro que relata, através de textos e fotografias, a experiência vivida no terreno.Autores: Lourenço Macedo Santos, Maria da Paz Braga e Pedro Queirós. PVP: 20€“A aldeia da esperança” é um livro para os LiAMs mais pequenos que vão poder aprender as regras a seguir em caso de terramoto, para além de descobrirem curiosidades acerca do Nepal, aprender o valor da solidariedade e sentir-se mais próximos dos meninos nepaleses que viveram a catástrofe, através dos desenhos que estes fizeram da sua terra, para incluir neste livro.Autores: Lourenço Macedo Santos, Maria da Paz Braga e Pedro Queirós, com ilustrações de Pedro Benvindo. PVP: 12€Os livros estão à venda nas principais livrarias de Portugal, sendo também possível encomendar directamente à Associação, através do e-mail: info@obrigadoportugal.org

screen-shot-2016-11-24-at-12-20-17

Instagram Like A Man!

Siga-nos

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.