Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Like A Man

Like A Man

5 livros para ler e oferecer este Natal

1111.jpg

Não sei se já reaparam, mas cada vez que lemos ou vemos algo sobre grandes líderes, eles indicam sempre uma coisa: as horas que ganham a ler livros.

Contudo, todos nós, sem grande exceção, cada vez lemos menos. E isso faz-nos mal. Porque ficamos menos cultos, menos inteligentes, a nossa cultura fica como uma pizza (muita coisa pela superfície e nada em concreto, nem profundo). Ora a altura do Natal é ótima para partilhar conhecimento e cultura em forma de livro. Como prenda para os amigos, para as amigas, para a cara metade ou mesmo para aqueles presentes que gostamos tanto: as que oferecemos a nós próprios. Assim, o LiAM deixa-vos cinco sugestões de bons livros para oferecer neste Natal. Cliquem e vejam a nossa escolha:

 

os_loucos_da_rua_mazur.jpg


"Os Loucos da Rua Mazur", de João Pinto Coelho

Editora: LeYa

15,50 € 

Na senda do extraordinário "Perguntem a Sarah Gross", aplaudido pelo público e pela crítica, o novo romance de João Pinto Coelho, vencedor do Prémio LeYa 2017, regressa à Polónia da Segunda Guerra Mundial e mostra-nos como a escrita de um romance pode tornar-se um ajuste de contas com o passado.


 

barbaros_e_iluminados.jpg

 

"Bárbaros e Iluminados - Populismo e Utopia no Século XXI", de Jaime Nogueira Pinto

Editora: Dom Quixote

18,90 €

Neste seu novo livro, Jaime Nogueira Pinto descreve a crise profunda que afeta o mundo liberal globalizado e analisa as razões da crescente rebelião dos povos contra a elite internacional no poder. E recorrendo à História e à história do pensamento político, traça o perfil e o percurso da ideologia hegemonizante dos «iluminados» que nos têm governado e dos «bárbaros» que se lhe têm vindo a opor. Bárbaros e Iluminados é obrigatório para quem queira ter uma visão integrada, profunda e fundamentada da utopia global anunciada e dos acontecimentos, aparentemente desconexos, que têm vindo a perturbá-la e a agitar a Europa, os Estados Unidos e o mundo.


tambem_os_brancos_sabem_dancar.jpg

 

"Também os Brancos Sabem Dançar (Um Romance Musical)", de Kalaf Epalanga

Editora: Caminho

21,90 €

O novo romance do escritor e músico Kalaf Epalanga é, na realidade, uma obra de auto-ficção, género cultivado por tantos escritores europeus mas relativamente raro entre nós. E o mundo que nos mostra – de Luanda a Kristiansund, de Beirute ao Rio de Janeiro, sem esquecer a sua amada Lisboa – é uma autêntica revelação.

 

os_anos_de_inocencia.jpg

 

 

"Os Anos da Inocência", de  Elizabeth Jane Howard

Editora: ASA

18,00 €

Recentemente enaltecida no The Guardian pela escritora Hilary Mantel, Elizabeth Jane Howard (1923-2014) foi uma das mais brilhantes - mas também esquecidas - escritoras britânicas do século XX. A autora, que foi casada com o escritor Kingsley Amis, viu este livro, com que agora é apresentada aos leitores portugueses, ser elogiado por grandes autores: "Absolutamente maravilhoso, com rasgos de genialidade" (Martin Amis), "Elegante, civilizado e cheio de estilo" (Julian Barnes).

 

sopa_siria.jpg

 

 

"Sopa Para a Síria - Receitas para celebrar a partilha", de Barbara Abdeni Massaad

Editora: Casa das Letras

19,90 €

Barbara Abdeni Massaad desafiou chefs e autores de livros de culinária de renome de todo o mundo a juntarem-se para participar numa campanha humanitária para distribuir comida e alimentos essenciais aos refugiados sírios. Cada um ofereceu uma receita para este livro ilustrado de deliciosas sopas de todo o mundo. Contribuíram para o mesmo Yotam Ottolenghi, Ezzat Ellaz, Kiko Martins, Sami Tamimi, Rui Paula, Anthony Bourdain, Ljubomir Stanisic, Mark Bittman, Miguel Rocha Vieira, Alice Waters, Paula Wolfert, Claudia Roden, Sally Butcher, Ana Sortun, Greg Malouf, Aglaia Kremenzi, Joe Barza, Carolyn Kumpe, Wendy Rahamut, entre muitos outros. Os direitos de autor, e parte do lucro resultante da venda deste livro, serão doados para ajudar a financiar a aquisição e distribuição de comida e alimentos essenciais para os refugiados sírios através do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).